quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Um poema de Bruna Lombardi

Sei que tenho deixado
meus grampos espalhados
por onde passo
e de vez em quando
gosto mais das pessoas
do que elas de mim
mas penso
que consegui me salvar
do meu potencial de tragédia
apesar da minha natureza
inquieta
mas nunca perdi a mania
de achar que as lagartixas
dão sorte
e que em tudo há
significados estranhos.


Um comentário:

  1. Genuína a Lombardi, Telma... Obrigada... Procurarei mais...

    ResponderExcluir